Skip directly to content

Jaffa

A Revolução dos “Jovens Turcos” (1)

6 O Grande Serai (veja 164, 393), que abriga escritórios do governo local, Jaffa, julho de 1908.

Jaffa trilhos de trem

Jaffa: um dos primeiros píeres com trilhos de trem a serem construídos no porto.

Polícia de choque britânica

Polícia de choque britânica, montada e a pé, bloqueia o caminho de uma manifestação em protesto contra a imigração em massa sionista, Jaffa, 27 de outubro de 1933. 

Grupo de Manifestantes, Praça Central, Jaffa

Polícia montada britânica investe contra um grupo de manifestantes, Praça Central, Jaffa, 27 de outubro de 1933. 

Rio Auja

Moinhos de água no Rio Auja, próximo a Jaffa. 

A Laranja de Jaffa: O Presente Palestino ao Mundo

149-157 Hoje em dia a laranja de Jaffa é o produto agrícola mais associado com a agricultura israelense. Contudo, especialistas palestinos já tinham desenvolvido a laranja de Jaffa antes de começar a colonização sionista na Palestina.

Vista para o mar

Jaffa, vista para o mar. Até 1936, antes do desenvolvimento dos embarcadouros de Haifa e Tel Aviv, Jaffa tinha o maior porto da Palestina. 

Praça Central, Jaffa

Praça Central, Jaffa, logo depois da posse do Mandato Britânico. O prédio com pilares, à direita, é o Grand Serai (see 6, 393).

Quarteirão Residencial Palestino Nuzhah

Jaffa, vista para o novo quarteirão residencial palestino Nuzhah, ca. 1935. Note o contraste nos meios de transporte da foto anterior

Uma Casa, Jaffa

Interior de uma casa, Jaffa, ca. 1935.

Fantasiados de Marajás e Maranis Indianos

Fantasiados de marajás e maranis indianos na casa de Alfred Roch e esposa, Jaffa, 1924. O anfitrião (notável palestino católico) é o primeiro à esquerda, segunda fila; de pé ao centro, na terceira fila, a anfitriã (veja 100, 242, 291).

Funcionários da Escola Secundária do Governo para Moços

Funcionários da Escola Secundária do Governo para Moços, Jaffa, 1923. Sentado ao centro, Salim Katul, autor de uma série de livros educacionais em árabe sobre Ciências Naturais. 

O principal time de futebol da Escola Secundária do Governo para Moços

O principal time de futebol da Escola Secundária do Governo para Moços, Jaffa, 1923. Os homens usando chapéu fez são funcionários. Salim Katul (veja 211), de pé, primeiro à esquerda.

Lobinhos e Escoteiros

Lobinhos e escoteiros com equipamento para acampar (transporte incluído!), Escola Secundária do Governo para Moços, Jaffa, 1924. O terceiro à esquerda, na primeira fila, está segurando uma bolsa com a palavra árabe que significa “primeiros socorros”.

Escola de Carpintaria

Escola de carpintaria, 1924. A inscrição sobre a porta diz: “O menos valioso de vocês é o menos letrado”.

Graduados de Universidades Britânicas

Estudantes palestinos em universidades britânicas celebrando o casamento de um dos seus membros, Izz al-Din al-Shawwa, Londres, 1928.

Música em Jaffa (1)

Estudantes (236) e banda (237) da Escola Nacional Cristã Ortodoxa, Jaffa, 1938. A escola foi fundada em 1921 pela Sociedade de Bem-Estar Social Cristã Ortodoxa. 

Música em Jaffa (2)

Estudantes (236) e banda (237) da Escola Nacional Cristã Ortodoxa, Jaffa, 1938. A escola foi fundada em 1921 pela Sociedade de Bem-Estar Social Cristã Ortodoxa. 

Sir Herbert Samuel

Jaffa, junho de 1920: Sir Herbert Samuel (com o capacete branco com ponta), um político britânico sionista nomeado como primeiro alto-comissário, prestes a pisar em solo palestino para inaugurar a administração civil britânica.

Sexto Congresso Nacional Palestino, Jaffa

O Sexto Congresso Nacional Palestino, Jaffa, outubro de 1925 (veja 68, 82–83, 87).

Depois de Dezenove Anos (1)

243b, 243c Estas caricaturas apareceram no jornal de Jaffa Filastin em abril de 1936. A figura de uniforme com chapéu de pluma é o General Sir Arthur Wauchope, o alto-comissário britânico na época.

Depois de Dezenove Anos (2)

243b, 243c Estas caricaturas apareceram no jornal de Jaffa Filastin em abril de 1936. A figura de uniforme com chapéu de pluma é o General Sir Arthur Wauchope, o alto-comissário britânico na época.

Buscas (1)

Tropas britânicas com capacete de aço revistam um palestino em Jaffa.

Buscas (3)

Um cão policial da África do Sul (246) vem ajudar um britânico. Esta última foto e seus detalhes foram extraídos da revista semanal Illustrated London News, junho de 1936. 

Manifestações

Polícia de choque britânica ataca manifestantes e aparece na primeira página das notícias em Londres; Praça Central, Jaffa, 1936. 

Detenção

Padre cristão ortodoxo é preso com dignitários religiosos muçulmanos em um campo de detenção. De pernas cruzadas no chão, o cristão ortodoxo Michel Mitri, líder do Sindicato dos Trabalhadores de Jaffa, também detido.

Fecham a Cidade Antiga de Jaffa

Os britânicos fecham a Cidade Antiga de Jaffa antes de começar a demolição. 

O hospital particular Dajani, Jaffa

O hospital particular Dajani, Jaffa, construído em 1933. 

Jaffa em meados de 1940

Jaffa em meados de 1940. Ao final do Mandato, a população de Jaffa era de cerca de 100 mil, dos quais aproximadamente 30% eram judeus e o resto, palestinos. Forças sionistas capturaram a cidade em 10 de maio de 1948 (veja 412–415).

Arab Citrus Line

Colagem de anúncios de publicidade. 

Jaffa Orange Co.

Colagem de anúncios de publicidade. 

Jaffa Press Co.

Colagem de anúncios de publicidade. 

Asad's Stores

Colagem de anúncios de publicidade. 

Diretores de escola

Diretores de escola, Jaffa, ca. 1923. Sentado, Thabit al-Khalidi, autor de um livro educacional de química, que se tornou embaixador da Jordânia nas Nações Unidas e mais tarde no Irã.

Família Muçulmana

Uma proeminente família muçulmana, Jaffa, meados de 1920. 

Ruínas do Grand Serai

Ruínas do Grand Serai, Jaffa (veja 6, 164). Um caminhão cheio de explosivos escondidos debaixo de laranjas foi estacionado na entrada do prédio no dia 4 de janeiro de 1948 por membros da Gangue Stern (veja 293). A explosão resultante destruiu o prédio e matou 26 civis palestinos.

Manshiyeh Área

Ruínas do bairro de Manshiyeh. 

Irgun Terrorismo

Membros do Irgun passam por buracos feitos nas casas palestinas. 

Fugir Jaffa

Sem uma organização militar apropriada nem defesa civil, a moral da população palestina desabou sob o peso das ofensivas do Haganah e Irgun. Aqui, mulheres e crianças tentam salvar o que podem antes de fugir da cidade.  

Mar Adentro

Palestinos são empurrados para o mar, Porto de Jaffa, final de abril de 1948. Com as saídas terrestres bloqueadas pelo Haganah, dezenas de milhares de moradores de Jaffa e vizinhanças escapam de barco para Gaza e o Egito; vários morrem afogados.